Venezuela é o país mais barato para minerar bitcoins

Com a economia destruída e a energia elétrica subsidiada pelo governo, muitos venezuelanos partiram para a mineração de bitcoins, o que equivale a ganhar na loteria. Mas o governo está de olho

4.jpg

Se você quer garimpar bitcoins no conforto de sua sala de estar, vai precisar de três coisas: um software livre, um suprimento constante de eletricidade, de preferência barata, e um computador parrudo. Cidadãos de muitos países aderiram. Mas por que os venezuelanos estão entre os mais ávidos mineradores da criptomoeda?

A pergunta apareceu em um artigo da revista The Economist, disponível em português. Antes de mais nada: você sabe o que é minerar bitcoins? Trata-se de um processo que adiciona registros de transações ao livro razão público do bitcoin. Esse livro é chamado blockchain, pelo fato de ser uma cadeia de blocos de transações e registros. O blockchain serve para confirmar as transações para o resto da rede ter conhecimento. Mas para que a alteração seja validada é preciso calcular uma sequência correta de letras e números, o que na gíria dos membros da comunidade bitcoin é minerar. Quem consegue garantir mais rápido que a transação seja validada ganha recompensa em criptomoeda. Para isso acontecer é preciso contar com computadores fortes e rápidos e muita energia elétrica, o que torna o processo difícil e custoso.

Como explica o artigo da The Economist, muitos venezuelanos podem se dar ao luxo de minerar porque têm máquinas importadas, como o Antminer S9, uma engenhoca do tamanho de uma caixa de sapatos vendida por cerca de US$ 2 mil na Amazon. Ela suga ar fresco e eletricidade e cospe barulho, calor e bitcoins recém extraídos. E há uma área na qual os venezuelanos levam vantagem. O governo subsidia o fornecimento de eletricidade.

Em um país com a economia destruída e com uma moeda local que não vale nada, garimpar criptomoedas com valor equivalente a algumas centenas de dólares é como ganhar na loteria. Por conta dos subsídios do governo, a Venezuela é o lugar mais barato do mundo para minerar bitcoins, segundo dados da Crescent Electric Supply Company. Os mineradores estão comprando uma commodity subvalorizada (eletricidade) e convertendo-a em bitcoin para obter lucro.

O governo está atrás dos mineradores e quer prendê-los sob acusação, por exemplo, de furto de eletricidade. Por outro lado, o próprio regime venezuelano vem apostando no poder do blockchain para ajudar a recuperar sua economia. O país já lançou sua própria criptomoeda, a Petro.

 

Blockchain Festival