Temos uma bolha próxima de estourar?

Banco americano Morgan Stanley prevê que as criptomoedas vão perder valor 15 vezes mais rápido que as ações das empresas de internet na época da bolha, em 2000. Para os analistas, os fenômenos serão parecidos

11.jpg

Bolhas estouram mais cedo ou mais tarde e quem se beneficiou precisa passar por um severo período de ajustes. Foi o que aconteceu com as empresas de internet, no ano 2000. O banco americano Morgan Stanley calculou o crescimento das criptomoedas e concluiu que o ritmo está 15 vezes mais rápido que o registrado nos anos 1990, com as empresas de internet. Para o banco, isso significa que a bolha do bitcoin vai estourar 15 vezes mais rápido que a da internet.

Os analistas do Morgan Stanley estudaram o histórico das ações das empresas de tecnologia e do índice Nasdaq antes do estouro da bolha da internet. Perceberam que, antes do colapso final, esse mercado experimentou cinco quedas de preço, todas com índices parecidos, em torno de 44%.

A cada ciclo havia uma recuperação rápida, com crescimento sempre em torno de 40%. Para o banco, é precisamente isso que está acontecendo agora com as oscilações nos preços das moedas virtuais.

Mas quando exatamente vai acontecer o colapso? O banco não cravou uma data, mas afirma que isso não deve demorar. “As recuperações do bitcoin e da Nasdaq sempre vieram acompanhadas de uma queda nos volumes negociados”, afirma Sheena Shah, estrategista do Morgan Stanley. “O aumento dos volumes negociados não é uma indicação de mais atividade dos investidores, mas sim de uma corrida para sair”.

“Examinamos os prós e os contras de aceitar a moeda digital e decidimos que agora é provavelmente um bom momento, porque está começando a entrar no mainstream”, disse, em entrevista à publicação Town & Country, Marco Ciocca, fundador e gestor de duas unidades Montessori da cidade, localizadas no edifício Flatiron e no Soho

“Somos a primeira escola de jardim de infância a aceitar moedas digitais como forma de pagamento”, afirma Ciocca, revelando que os pais se mostraram divididos. Alguns já vinham pedindo para usar bitcoins para pagar as mensalidades, outros revelaram estar preocupados em saber se o pagamento em criptomoedas é realmente seguro.

A decisão da escola infantil nova-iorquina já começa a ser seguida por outras instituições. A escola particular Indian Mountain School (IMS), de Connecticut, também já aceita o pagamento com criptomoedas. Para o diretor Mark A. Devey, essa é uma maneira criativa de levar o assunto moedas digitais aos alunos.
 

Blockchain Festival