Os principais conceitos do blockchain

Não precisa muito tempo (nem esforço) para entender as expressões do universo do blockchain. Conheça 15 verbetes que formam o vocabulário da tecnologia que começa a revolucionar as transações seguras

5.jpg

Bitcoin: É a primeira network descentralizada e também uma criptomoeda, criada em 2008 por Satoshi Nakamoto, identidade atribuída a um desenvolvedor desconhecido, mas que pode ser também um grupo de pessoas.

Blockchain: Conceito de estrutura de registros (ledgers) de informações em blocos interligados e distribuídos em redes descentralizadas públicas ou privadas, onde ficam as transações peer-to-peer.

Chaves: Existem chaves privadas e públicas. A privada geralmente fica com uma das partes interessadas na transação e ninguém mais conhece seu código. As públicas vão para a rede e permitem aos nodes verificarem a transação.

Criptomoeda: São ativos digitais com valores específicos usados para realizar transações em redes descentralizadas. Bitcoin e Ether são as criptomoedas mais conhecidas atualmente.

Ethereum: É uma network descentralizada de computadores que validam transações em blockchain.

Hard Fork: Protocolos ou regras de governança de uma rede blockchain não podem ser alterados. Porém, quando há desacordo entre integrantes, as networks podem fazer uma Hard Fork. Nesse caso, o novo código se torna incompatível com versões anteriores e usuários do antigo sistema permanecem em sua própria rede blockchain.

Hash: Transforma uma coleção de dados numa linha alfanumérica, que traduz certo valor. Qualquer alteração mínima nos dados modifica a hash totalmente.

Initial Coin Offering (ICO): É a oferta pública inicial de uma determinada quantidade de tokens ou criptomoedas a apoiadores interessados em formar uma nova blockchain.

Mineradores: São os operadores da rede que colocam a transação do bloco junto às anteriores. Seus computadores são equipados para calcular hash criptografadas e só uma vai permitir essa ação. O minerador que consegue calcular a hash certa é premiado com bitcoins.

Nodes: São os computadores responsáveis pelo consenso sobre uma transação em tempo real, contendo cópias dos registros autenticados distribuídos entre eles.

Peer-to-peer: É um modelo de computação ou de rede distribuída de arquivos entre diversas partes.

Proof of Work: É um protocolo utilizado para a prevenção de ataques cibernéticos, um registro difícil e custoso de ser produzido por hackers, porém fácil de ser verificado por membros do blockchain.

Smart Contracts: Contratos inteligentes são registrados na rede em códigos computacionais que executam tarefas automaticamente, desde que as partes envolvidas estejam em conformidade com regras pré-estabelecidas.

Token: É uma unidade de valor que alimenta o blockchain, podendo ser moedas, como bitcoin ou ether, que servem para ser transacionadas de acordo com o interesse dos integrantes de uma network.

Torrent: É um arquivo de computador que contém metadados de outros arquivos ou documentos distribuídos numa rede. Esses arquivos podem ser localizados por um buscador respectivo e reunidos para voltar a formar o conteúdo original do arquivo, num sistema peer-to-peer.

Fonte: Meio e Mensagem

Blockchain Festival