O que esperar do bitcoin no futuro?

 Em dois anos, mais de 100 moedas virtuais foram lançadas. Mas a primeira delas, o bitcoin, ainda é a mais prestigiada, e deverá ser assim por muito tempo. Apesar das oscilações, o bitcoin continua se valorizando

7.jpg

O crescimento meteórico do bitcoin parece não ter fim. Lançado em 2008, o bitcoin foi a primeira criptomoeda que surgiu e até hoje mantém-se a mais relevante e a mais utilizada no mundo. Apesar de mais de 100 moedas virtuais terem sido lançadas nos últimos dois anos, especialistas acreditam que o bitcoin deverá se manter no topo ainda por um bom tempo. 

Mas sua trajetória foi marcada por alguns percalços. O mais conhecido deles é a violenta oscilação de preço, para cima e para baixo. Em 2017, surgiram ainda movimentos de resistência à expansão do bitcoin e das criptomoedas. China e Coreia do Sul, por exemplo, baniram novas ICOs, as ofertas públicas iniciais de moedas, que vêm ajudando a desenvolver novos negócios e startups das mais diversas áreas.

Ainda assim, o bitcoin continua se mostrando uma operação vantajosa, graças, em grande parte, à força e à versatilidade de sua base tecnológica, o blockchain, o livro fiscal formado por cadeias de blocos de dados. O blockchain que dá suporte ao bitcoin se caracteriza pela segurança, já que toda transação precisa ser validada pelo conjunto dos usuários, o que torna a fraude uma operação muito difícil. Outra vantagem do blockchain é a independência das autoridades centrais e dos intermediários. As informações ficam distribuídas, de forma segura, por computadores diferentes ao redor do mundo.

Por tudo isso, o bitcoin continua sendo a moeda digital mais utilizada no planeta. "O bitcoin não é apenas a criptomoeda original, mas também a rainha das criptomoedas", diz a publicação de análises de produtos de tecnologia Tom's Hardware. O bitcoin atualmente tem uma capitalização de mercado de mais de US$ 57 bilhões, o que equivalente a cerca de 45% do valor de todo o mercado de criptmoedas.

 

Blockchain Festival