Impulso aos créditos de carbono

Plataforma canadense em blockchain, a Carbon X permite que pessoas físicas participem mais ativamente desse mercado, e sejam recompensadas, em criptomoeda, por suas iniciativas individuais com fins sustentáveis

8.jpg

O blockchain foi desenvolvido para dar suporte às criptomoedas, mas também poderia ter surgido para apoiar o mercado de créditos de carbono. A tecnologia é perfeitamente aplicável a sistemas que medem a redução das emissões, e oferecem recompensas pela atitude. Essa é a proposta da empresa canadense Carbon X: estimular as pessoas a se comportarem de maneira mais amigável em relação ao meio ambiente.


Blockchains são bancos de dados distribuídos em rede, com os dados indexados em cadeias de blocos, que não podem ser modificados sem a autorização do conjunto de usuários. Aberta em 2017, a Carbon X utilizou essa plataforma tecnológica para a compra créditos de carbono de diferentes projetos ao redor do mundo, todos validados pela Organização das Nações Unidas.


Esses créditos são convertidos na criptomoeda CxT, que fica disponível para que empresas e pessoas físicas as comprem. Ao adquirir lotes de CxT, o interessado está bancando iniciativas ecológicas e sustentáveis. Além disso, os clientes podem colaborar de outra forma, e ganhar moedas por aderir a iniciativas ambientalmente corretas.
Se o consumidor compra peixe de um fornecedor local que não emitiu milhares de toneladas de CO2 ao longo da cadeia de transporte, ele também ganha CxT. Ao usar um aplicativo de carona, e assim manter o carro na garagem por um dia, a pessoa também pode receber um incentivo em criptomoeda. 


A CxT é aceita para a compra de produtos da rede de lojas e empresas que apoiam a iniciativa. Ou seja: a pessoa física é recompensada ao adotar uma atitude que reduz as emissões de gases poluentes, e pode usar essa recompensa com outras empresas que participam do mesmo projeto. Assim, cria-se uma rede de incentivo à emissão de mais créditos de carbono. O planeta agradece.
 

Blockchain Festival