Ethereum é muito mais que uma criptomoeda

Primeiro veio o bitcoin. Depois surgiu o ether, a moeda que deu origem ao ethereum, hoje uma plataforma descentralizada de desenvolvimento que dá suporte a qualquer tipo de transação, de moedas virtuais a contratos

9.jpg

O ether já é a segunda criptomoeda mais popular do mundo, atrás apenas do bitcoin. Mas esse não é o maior feito do programador russo Vitalik Buterin, que a criou em 2014, quando tinha 20 anos. A grande realização do ethereum, a plataforma-mãe do ether, é permitir que milhares de usuários tenham acesso a um software em código aberto, que permite desenvolver aplicativos baseados em blockchain.

Grande banco de dados público e inviolável, o blockchain permite que arquivos digitais de todo tipo sejam registrados de forma segura. Cada item guardado na cadeia de blocos é datado e leva uma assinatura, formada por uma sequência de letras e números. Essa tecnologia foi desenvolvida inicialmente para dar sustentação ao bitcoin.

Quando surgiu a primeira criptomoeda segura do mundo, parecia que sua maior utilidade seria gerar uma economia totalmente virtual e sem intermediários. Não é pouca coisa, mas seu potencial mostrou-se muito maior. Foi o ethereum que levou as cadeias de blocos para um novo passo e para o qual não há limites. Agora, o blockchain vem sendo usado para sustentar todo e qualquer tipo de transação, seja de moedas, informações ou contratos.

Na primeira vez em que apresentou a plataforma, Vitalik Buterin sugeriu que ela poderia representar uma evolução do bitcoin. Mas sua ideia não foi bem recebida. Ele resolveu, então, criar uma nova companhia, fiel ao propósito de expandir a utilização do blockchain. Nascia assim o ethereum, viabilizado por um dos três maiores crowdfundings da história, que levantou 18 milhões de dólares.

 Por meio do etherium é possível desenvolver projetos de financiamento coletivo e contratos inteligentes, por exemplo, mas também desenvolver aplicativos para casas de câmbio, ou para gerenciar objetos conectatos à internet. Neste momento, existem centenas de aplicativos sendo desenvolvidos e outros 250 já lançados.

Os usuários podem ter dois tipos de contas no ethereum: uma para criar aplicativos, outra para negociar criptomoedas. A criptomoeda ether pode ser usada para comprar aplicativos, ou para investir no desenvolvimento de bons projetos.

O ether tornou-se um ótimo negócio para quem comprou. Em 2017, a moeda registrou valorização de mais de 13.000%.

 

Blockchain Festival