Entenda a oferta pública inicial de moeda

O ICO, na sigla em inglês, é utilizado para lançar novas criptomoedas e conseguir financiamento. Além disso, pode ser uma opção de investimento. Os criadores se apresentam em fóruns dedicados ao assunto

11-1.jpg

O chamado ICO (Initial Coin Offering) é hoje a melhor maneira de lançar novas criptomoedas. Equivale à oferta pública inicial (IPO), o processo utilizado pelas empresas para lançar suas ações no mercado. Os ICOs se tornaram uma onda e uma ótima opção de investimento, pois costuma ser vantajoso comprar novas criptomoedas na etapa de ICO. Para quem oferece, é também uma forma de financiamento ou crowdfunding.

O processo é conduzido por uma empresa de tecnologia e tem como objetivo colocar no mercado uma nova moeda virtual. Por isso, já existem centenas de criptomoedas disponíveis para compra.

O ICO acontece em fóruns de criptmoedas, como o Bitcointalk. Ali, o criador do novo produto explica seus objetivos, apresenta a equipe de desenvolvimento, o cronograma e as metas. A fase de apresentação e de arrecadação dura algumas semanas.

Quem compra as novas criptomoedas pode utilizá-las como preferir. Há quem troque por outros valores, outros aguardam por uma onda de valorização. Quem participou do ICO da ethereum e guardou os valores se saiu muito bem.

Em 2014, essa criptomoeda foi lançada. Cada ethereum valia 0,0005 bitcoin. A adesão foi tamanha que a empresa conseguiu, com sua oferta pública inicial, reunir US$ 20 milhões. Hoje, a ethereum é a segunda criptomoeda mais valorizada do mundo, depois do bitcoin. Foi depois desse caso bem-sucedido que os ICO se tornaram mais populares e mais disputados.

2. Tunísia: O país lançou um sistema de pagamento de contas, taxas e serviços usando uma criptomoeda validada por seu próprio Banco Central. A criptomeda substituiu o e-dinar, uma moeda virtual usada pelo país em 2009, mas que não se apoiava numa plataforma de blockchain.

3. Senegal: Os cidadãos do país podem optar por manter carteiras digitais de criptomoedas, ou contas bancárias com o franco, a moeda local. As duas podem ser usadas ao longo de toda a cadeia econômica do país.

4. Suécia: Os suecos já estão entre os maiores usuários de bitcoin do mundo. Para 2018, aguarda-se o anúncio do lançamento da criptomoeda nacional. Ela está em desenvolvimento pelo governo, que tem o objetivo de abandonar em definitivo o dinheiro em papel.

5. Estônia: Outra nação conhecida por aderir rapidamente a novas tecnologias, a Estônia tem um governo que já usa plataformas de blockchain para armazenar dados. A criptomoeda nacional está em desenvolvimento, mas já tem nome: estcoin.

6. China: O país vem tentando barrar o uso de bitcoins em sua economia – o que é impossível, evidentemente. Mas trabalha, discretamente, no desenvolvimento de uma moeda virtual própria, baseada na tecnologia de blockchain.

7. Rússia: O Banco Central da nação já sugeriu que Moscou não vai ficar para trás nessa onda. Mas os estudos para a criação de uma moeda virtual própria ainda estão em estágio inicial.

8. Japão: Os Jogos Olímpios de Tóquio, em 2020, são o prazo estabelecido pelo sistema bancário para o lançamento da J Coin, a criptomoeda que será largamente utilizada pelos turistas que vão visitar o país nessa época.

9. Venezuela: No meio de uma crise econômica grave, o país vem tentando estabelecer a Petro, sua própria moeda criptografada e virtual. Seria uma forma de tentar lutar contra a alta inflação e a falta de dinheiro em papel.

10. Israel: Para criar um sistema de pagamento mais ágil e reduzir o uso de notas em papel, além de combater a lavagem de dinheiro, a nação trabalha numa plataforma digital completa, que deverá ser lançada em 2019.

11. Dubai: Dentro de alguns meses, os cidadãos e moradores poderão usar a moeda EmCash em todo o sistema bancário do país. A criptomoeda está em estágio avançado de desenvolvimento.

12. Brasil: A criptomoeda nacional ainda não está em estudo, mas o país deve começar a fornecer financiamento, por meio do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), usando sua própria moeda criptografada.

Fonte: https://www.verdict.co.uk/bitcoin-countries-digital-currency/

 

Blockchain Festival